quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Feliz Ano!!! Feliz dia de Reis -Magos, por suposto-!!!!

Até o novo ano nom haverá actualizaçom

Desculpem as molestias, obrigado!!!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Ao Borjacius

Seguimos coas dedicatórias. Hoje é a quenda do Borjacius e como nom sabia que cançom pôr-lhe decidim subir esta. Tem algo a ver com el e coa sua maneira de pensar.

Aí tendes, com todos vós, com todas vós, "Kommies" d'A banda de Poi.


Kommies, kommies, kommies, kommies

Som uma ameaça os kommies comunistas
Acaba con eles anti-sionistas
Som o eixo do mal o grande Satán
A sua cor é vermelha moran no Indostám

Kommies, kommies, kommies, kommies

O nosso problema e o kommie teimoso
Nom quer entender o nosso negócio
Chegar a um país matar e vencer
Vender o armamento e ficar com o poder

Kommies, kommies, kommies, kommies

O Che e o Alhende
Os inocentes do 36
Na Galiza, Alexandre e Daniel
Em Portugal, no Tarrafal
Jesús e Ghandi
E o povo unido, adiante

Kommies, kommies, kommies, kommies

O nosso sistema tém grandes ventajas
Sacamos o ouro ficamos coas gajas
O “neo-kommie” consume films, hamburguesas
Garrafas de cola, bombas japonesas

Kommies, kommies, kommies, kommies

E muito importante que o kommie comprenda
Que é um terrorista se defende a terra
Preciso é ensinar ao kommie a pensar
A moda texana no nossos “think-tanks”

Kommies, kommies, kommies, kommies


O Che e o Alhende
Os inocentes do 36
Na Galiza, Alexandre e Daniel
Em Portugal, no Tarrafal
Jesús e Ghandi
E o povo unido, adiante

Liberdade!!!

Obrigado por tudo

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Ao irmão

Hoje apetecia-me dedicar-lhe o blogue ao irmão e, de passo, roubar-lhe umha ideia que tivo, colocar umha cançom e opinar sobre ela.

Aí tendes, com todos vós, com todas vós, "Despertar" de Héroes del silencio.

¿Quién nos devora,
que una pesadilla me parte en dos?
¿Tanto odio encontró
en la melodía que ahoga mi voz?
Todo se olvida al despertar
una vez más
Sólo puedo soñar
entre arena y espuma
¿Cómo puedo olvidar
a alguien que un día me quiso ayudar?
Si no sé perdonar
el daño que has hecho a mi alrededor...
Todo se olvida al despertar
una vez más
Sólo puedo soñar
entre arena y espuma,
entre arena y espuma...
Todo se olvida al despertar
una vez más
sólo puedo soñar
entre arena y...
todo se olvida al despertar
una vez más
sólo puedo soñar
entre arena y espuma

Obrigado por todo

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

'As academias defenden ás elites controlando a lingua'

Redacción. Lograr que a Real Academia Española (RAE) elimine as acepcións de 'tonto' e 'tartamudo' do termo 'gallego'. Este é o obxectivo dun grupo de mozos de Compostela que se acaban de organizar co nome de Asociación Garipano.

Garipano conta co apoio da escritora Teresa Moure. Neste vídeo de ANT TV, Moure denuncia que “o que acontence coas academias é que son instuticións conservadoras que manteñen os privilexios das elites e fanno precisamente a través do control da lingua”.

A profesora na Facultade de Filoloxía da Universidade de Santiago asegura que, na súa tarefa de “control”, a RAE e as outras academias “non queren cambios, ao igual que pasa cos termos que trivializan as mulleres ou a homosexualidade”.

Tatexos, pero só dende 2001


A colaboradora de ANT explica que a acepción de tatexo nace das dificultades que tiñan os galegofalantes para falaren correctamente o idioma castelán. Mar López, da Asociación Garipano, indica que foi en 2001 cando se introduciu esta acepción de tartamudo, tras a morte do académico galego Camilo José Cela.

López tamén indica que no caso doutras linguas, como o catalán ou o castelán, o dicicionario da RAE si especifica que se trata dunha lingua romance.

Para lograr o seu obxectivo, a Asociación Garipano lanzou unha páxina web na que recolle sinaturas tanto a nivel individual como colectivo.


Para ler a nova na sua fonte original, preme aqui

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

'Cómpren cambios aínda que algúns ricos se arruínen'

Manuel Vilas. Beiras reclámalle á Xunta 'independencia de criterio' e 'coraxe' para que tome medidas diferentes das da UE e evitar 'salvar aos delincuentes que crearon a crise e afogar aos cidadáns'. O catedrático cualifica de 'acontecemento decisivo' o Foro Social Galego para organizar dende Galiza unha resposta alternativa á recesión.

A Xosé Manuel Beiras non lle treme o pulso á hora de avaliar a resposta da Xunta e do Estado á crise. O catedrático de Economía da USC reclama “medidas redistribúan cara abaixo no lugar da redistribución cara arriba que están facendo, medidas que pensen na maioría social aínda que haxa ricos que se arruínen e entidades financeiras que se vaian ao tacho”.

O ex-líder do BNG admite que fai falta “moito valor político” no Goberno para operar tales cambios. Preguntado sobre se os dirixentes galegos teñen esa valentía, Beiras responde que os gobernantes galegos “teñen que demostrar se teñen coraxe ou non, sobre todo se teñen independencia de criterio”.

Así o declara nunha entrevista con ANT TV por mor do Foro Social Galego (FSGAL), que comeza o 5 de decembro en Compostela coa colaboración de máis de cen colectivos.

Foro Social Galego

Para o político nacionalista, o FSGAL é un “acontecemento decisivo”. Beiras destaca destaca que “Galiza ten unha experiencia de organización momentos alternativos antes incluso de que se comezase a celebrar os Foros Sociais Mundiais, como é o caso de Galiza no tardofranquismo”.

O único representante do país no Consello Internacional do Foro Social Mundial defende a diversidade ideolóxica do cento de colectivos que se xuntarán durante unha fin de semana no Campus Norte da USC. Na entrevista, Beiras explica que unha das causas do nacemento destes foros é as dificultades do diálogo entre o tecido social e os partidos políticos.

Avaliación da resposta do bipartito

Sobre as inciativas que está a tomar a Xunta contra a recesión, o catedrático de Economía da USC alerta que “as medidas que tomaron inicialmente van na liña das tomadas polos gobernos do estado e europeos; o perigo consiste en que acaben salvando aos delincuentes que crearon a crise e afogando aos cidadáns”.

O ex-portavoz nacional do Bloque demanda solucións que “abran fendas” no sistema e non “poñerlle parches, darlle vitaminas, darlle antibióticos para que o capitalismo dure cen anos máis”.

“Eu comprendo que un goberno ten que tomar medidas para conter a crise pero por outra banda ten que abrir liñas que vaian na dirección única posíbel que dure no tempo; e para iso fai falta moito valor, moita coraxe”, conclúe.

Para ler a entrevista na sua fonte original, preme aqui

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

De quem é este poema?

XEITEIROS DO SUR

Os últimos xeiteiros
en partir
—os do sur—
tremosos
e mesmo taciturnos
perdíanse no ocaso amargo das miradas

Atrás,
como nos días da fatal ausencia,
quedaban
a mornura do fogar
e a calma
dun regazo octoxenario

Sol a sol
nun longo ronsel de incerteza,
como áncoras intactas
e voraces

os últimos xeiteiros
singraban novas lúas e crepúsculos

Eles sabían do mar
porque xurdiran do sal. O mar.
O mar só reflectía
as chagas dos seus dedos malferidos

Pero eles eran
os últimos xeiteiros
en partir

aqueles que, a media lúa,
algo tremosos

e armados duns remos
de pao de carballo
en cadanseu tolete

vogaban paseniño
cara as escuras
e argazosas augas
que a certeza
mostraba, taciturna,

eran o pan
—ao sur—
das súas fames

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Cea Homenaxe a Marcos Valcárcel en Ourense

O vindeiro sábado, día 29, os amigos/as e admiradores dunha das persoas máis sabias e de maior calidade humana que coñezo, Marcos Valcárcel, teremos ocasión de reunirnos con el para acompañalo nunha entrañable cea-homenaxe que terá lugar no restaurante San Miguel de Ourense.

Polo que a min respecta, salvo ataque biolóxico ou atómico de ultimísima hora que o impida (cousa que, por outra banda e polo ben común, agardemos non ocorra) estarei acompañando ao amigo nese acto de presentación do seu novo libro, Historia de Ourense (Edicións Xerais de Galicia, 2008), a bo seguro inzado de maxisterio e sabiduría por todas partes.

Para os/as que queirades sumarvos, velaí vai máis información:

CEA HOMENAXE a MARCOS VALCÁRCEL.

Ourense, Sábado 29 de Novembro de 2008 , ás 21:00 horas, Restaurante San Miguel.
RETIRADA DE TARXETAS:

As tarxetas para a asitencia á Cea poderanse retirar en Ourense, desde o venres día 7 de novembro, en tres lugares: No Liceo, na Casa da Xuventude e no Restaurante Sanmiguel. O custo da cea é de 30 euros.

Para aquelas persoas de fóra de Ourense que queiran asistir, habilitamos unha conta de Caixa Galicia (2091 0400 88 3040045410 ) na que poden facer o ingreso desa cantidade indicando o nome do participante. Posteriomente, o mesmo día da Cea pódese retirar a tarxeta no restaurante co resgardo da transferencia.
Dada a previsión dunha nutrida concurrencia, rógase efectuar estes trámites canto antes, e en calquera caso, pecharanse as listas de asistencia o día 25 de novembro.

INVITACIÓN ABERTA:

A Cea Homenaxe está aberta a todas as persoas interesadas, polo que che pedimos fagas extensiva a invitación a quen consideres oportuno.

Unha cordial aperta e moitas grazas a todos.

César Ánsias / Xoán Fonseca / Benito Losada / José Carlos Martínez-Pedrayo
Eustaquio Puga / Xosé Ramón Quintana / Xosé Trebolle / Afonso Vázquez-Monxardín

Texto e imagem tirados da web oficial do autor galego Modesto Fraga Moure

sábado, 15 de novembro de 2008

Entrevista completa a Beiras no programa, já extinto, "Somos unha potenzia"

Primeira parte


Segunda parte


Terceira parte


Última parte

terça-feira, 11 de novembro de 2008

A crise, que a pague o capital

sábado, 8 de novembro de 2008

Já está na rede a "Asociación veciñal Polígono de Vite"

Este é o endereço da página web da "Asociación veciñal Polígono de Vite": http://www.barriodevite.com

Polo de agora está em construcçom, e só tem o logotipo e algum dado da associaçom, mas em pouco tempo, será umha página oficial e en condiçons do "governo" do nosso bairro.

No Bairro de Vite, a luita continua.

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Antes em Vite

Estes dias soubem que Espazo Aberto-Mocidade sacou um documento de identidade da República Galega. A ideia está bem, mas sabede que três persoas de Vite, nas que me incluo, já tínhamos feito um hai tempo. Nom me tendes porque crer, tampouco tenho muita maneira de demostrá-lo. Tenho o desenho, mas em formato cdr. Quando o poda passar a formato jpeg veredes que o nosso é mais formoso, xD.

Saudaçons a tod@s

domingo, 26 de outubro de 2008

Na imprensa falam da S.D.

Hoje, coma todos os dias, dei-lhe umha vista de olhos a alguns jornais digitais. No último, que é A nosa Terra, topei-me com umha notícia que me chamou muito a atençom. Nela falavam da S.D. Compostela, essa S.D. que fazia ir à maioria dos compostelanos ao estádio de San Lázaro a desfrutar, ou nom, de tardes de futebol.

Pois bem, como é raro que falem da história da S.D num jornal, aqui tendes a nova:

FÚTBOL
Que foi do Compos, hai dez anos en primeira?

Antonio Cendán. Hai vinte anos, o Compostela comezaba a triunfar. Hai dez, comezou o seu ocaso. Esta é a pequena historia dun dos equipos de fútbol que deu a capital galega.

Hai vinte anos, en Santiago ninguén falaba de fútbol. Era un deporte secundario, debido a escasa afección e a que o primeiro deporte era o baloncesto, cun equipo, o Obradoiro, que xogara varias temporadas na ACB. O deporte do balón reducíase a enfrontamentos de equipos de barrio, a SD Compostela e o Vista Alegre, que andaban a greña por ver quen tiña os dereitos de xogar no vetusto estadio de Santa Isabel.

En 1988 chegaba a presidencia do cadro albiceleste un electricista, Xosé María Caneda, que rexentaba e traballaba na súa propia empresa. Ninguén podía aventurar que aquel home, de aspecto rudo e até se pode dicir que rural, chegaría en pouco tempo a sentar na mesma mesa que persoeiros de tanto glamur deportivo coma Ramón Mendoza ou Josep Lluis Núñez.

Aos dous anos de facerse Caneda coa presidencia da SD Compostela, o equipo retorna a Segunda División B da man dun adestrador que sería crucial na súa historia, o mítico defensa lateral do Pontevedra dos anos setenta, Fernando Castro Santos. Con este ascenso á terceira categoría do fútbol estatal consolidábase coma o primeiro equipo de Santiago, pero nada máis, rachando así co ancestral enfrontamento localista que mantiña co seu eterno rival, o Vista Alegre.

Non embargante, nin os máis optimistas agardaban que o combinado compostelanista comezase unha xeira ininterrompida de éxitos que se prolongaría durante case unha década. Ao final da campaña 1990-91 o equipo dirixido por Fernando Santos xogaba a fase de ascenso a Segunda División A, cun éxito rotundo xa que conseguiría subir a categoría de prata despois de derrotar no vello estadio de Santa Isabel por tres goles a un ao Badaxoz. Era a primeira vez na historia que a capital galega tiña un equipo na segunda categoría do fútbol estatal, sendo a única cidade galega das sete grandes que nunca o tivera.

Unido a este ascenso, vai tamén o da inauguración do novo estadio, o de San Lázaro, unhas modernas instalacións deportivas con capacidade para 12.000 espectadores que en nada lembraban ao ancestral campo de Santa Isabel, que a partir daquel momento se deixaba de forma exclusiva para o Vista Alegre, o eterno rival que uns anos máis tarde se convertería no seu filial, pasando a denominarse Compostela B.

En Segunda División

A súa primeira temporada na categoría de prata non pasa desapercibida para ninguén. O “Compos” e a gran revelación da campaña 1991-92. Vence ao Celta en San Lázaro e empátalle en Balaídos. Destaca pola súa extraordinaria fortaleza coma visitante, aínda que o que gañaba fora do seu campo, perdíao na casa. Malia todo, a “esede” consegue unha clasificación envexábel para moitos, acadando a sexta posición ao remate da liga. Máis discreta é, se cabe, a súa segunda campaña. Neste ano ten coma rival ao Lugo, debutante tamén na categoría, sendo o segundo equipo da capital das Murallas que militaba nela. Os albicelestes xa non son o equipo rompedor do anterior ano, aínda así non ten problemas para manterse, aínda que cae seis postos en relación á campaña do debut.

O ascenso e a primeira división. Coincidindo co remate do ano Xacobeo, en 1993-94, acontece o mellor fito na curta historia do equipo da capital galega. Esa temporada, despois dunha dura pugna polo ascenso co Español, de José Antonio Camacho, e o Betis, estando case sempre en postos de ascenso até as últimas xornadas, o combinado de Fernando Santos consegue a terceira praza o que lle dá dereito a competir polo ascenso á primeira división. Enfrontase a dobre partido co Raio Vallecano, nos que se rexistran senllos empates. Isto provoca que haxa que xogar un terceiro partido de desempate que se disputa no Carlos Tartiere, en Oviedo. Alí, o primeiro de xuño de 1994, un magnífico “Compos” fulmina os madrileños cun contundente 3-1. Comeza a etapa do mellor Compostela da historia.

O período 1994-98 Santiago vive unha época dourada cun equipo que se fundara había algo máis de 30 anos. Aínda que o seu debut non é de todo afortunado, xa que perde coa Real Sociedade, San Lázaro axiña se converterá nun fortín. A campaña pódese cualificar de brillante, xa que elude calquera complicación cos postos de descenso ou promoción.

O exótico combinado compostelán non é ningunha comparsa que estea de paso na división de honra do fútbol español. Este feito virá avaliado ao ano seguinte, 1995-96, no que fai historia ao proclamarse subcampión de inverno, sumando 42 puntos. A segunda fase non é tan espléndida aínda que obterá unha honrosa décima posición ao final da liga, malia que se esfumara o soño do Eurocompos. Atrás quedaba o empate no Bernabeu, ou a vitoria en San Lázaro sobre o Barça no último cuarto de hora do encontro. Neste equipo destacaban futbolistas coma o porteiro Rafa, pretendido polo Valencia do que chegara desbotado polo propio club, Aguirretxu, Nacho, Fabiano, Penev, Passi, Christiansen, Mauro, Bellido, ou a eterna xuventude do Tato Abadía.

Ocaso e declive

A partir de 1998 comeza o ocaso dos santiagueses. Un dobre empate a un gol en San Lázaro na promoción co Vilarreal envíao de novo a segunda división, debido a unha nefasta arbitraxe e o infortunio de desperdiciar un penalti no Madrigal. Tan axiña coma se iniciara a época vitoriosa chegaba o fracaso que parecía non ter chan.

A SD baixa en 2001 a Segunda B tres anos despois de facelo a categoría de prata, á que retornará a campaña seguinte, na que a pesar de clasificarse en oitava posición, o conxunto que fixera as delicias de moitos galegos e descendido nos despachos por adebedarlles aos seus xogadores 1,8 millóns de euros. Así mesmo, tampouco pode acometer a ampliación de capital que lle esixía a Liga de Fútbol Profesional e o Compostela cae en picado. Caneda abandona o barco.

En 2004 continúan os graves problemas para os santiagueses, un novo descenso a terceira, unido as débedas lévano a unha nova perda de categoría por vía administrativa. Un equipo que facía pouco máis dun lustro era capaz de arrebatar puntos no Bernabeu, Mestalla ou o Camp Nou víase relegado a autonómica preferente, na que non xogaba desde había máis de tres décadas, na que se tería que enfrontar ao Baio, o Malpica, ou o Iberia de Barreiros.

Tras catro anos no inferno máis absoluto, o Compos retorna a terceira división en 2008, tempo suficiente para volver a ser o segundo equipo da capital galega. Nesta época xurden outros dous equipos na cidade do Apóstolo, un deles o Cidade de Santiago, que consumou dous ascensos consecutivos dende a Preferente até a Segunda B, devolvéndolle a dignidade perdida ao fútbol compostelán.

Xosé María Caneda, o electricista da Liga de Fútbol Profesional

Con aspecto de paisano que podería tratar no gando en calquera feira galega, Xosé María Caneda fíxose coa presidencia da SD Compostela en 1988. Comezaba daquela unha carreira imparábel que o convertería nun dos persoeiros máis controvertidos e, a súa vez, populacheiros da Galicia de mediados dos noventa. A el débeselle unha parte importante da historia do fútbol galego por conseguir que a capital, unha cidade universal e milenaria pero ao igual que París allea o mundo do fútbol, tivese un equipo na elite deste deporte.

Se algo caracterizou a Caneda foi non ter pelos na lingua, de soltar o que sentía, aínda que se gañou moitos inimigos. O electricista compostelán, oficio do que se sentía orgulloso, sentou ao lado de persoeiros inimaxinábeis para un home do seu estrato social. Entre estes encontrábase o ínclito Jesús Gil, presidente do Atlético de Madrid e alcalde da xa tristemente archifamosa cidade de Marbella, que protagonizou un dos máis tristes episodios dunha reunión da Liga de Fútbol Profesional ao agredir a Caneda e ao seu home de confianza, Manuel Fidalgo. As imaxes deron a volta ao mundo.

O desaparecido e xa desprestixiado Gil y Gil empeorou aínda máis a súa imaxe. Mentres, dende distintos medios tentaron desacreditar ao presidente da SD Compostela, que pecou de inocente ao facer unhas declaracións que, coa volta de pouco tempo, resultarían premonitorias do que ocorría na Costa do Sol. Despois de varios anos na nube do éxito, o electricista retornou ao mundo dos mortais presidindo de novo, en terceira división, o cadro que levara á División de honra.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Amigos, non poss' eu negar


Amigos, non poss' eu negar
a gran coita que d' amor ey,
ca me vejo sandeu-andar,
e con sandece o direy:
os olhos verdes que eu vi
me fazen ora andar assi.

Pero quen quer x' entenderá
aquestes olhos quaes son,
e d' est' alguen se queyxará;
mays eu... ja quer moyra quer non:
os olhos verdes que eu vi
me fazen ora andar assi.

Pero non devia a perder
ome que ja o sen non á
de con sandece ren dizer,
e con sandece digu' eu ja:
os olhos verdes que eu vi
me fazen ora andar assi.

Johan Garcia de Guilhade

Esta cantiga é excepcional em vários sentidos: um, sendo umha cantiga de Amor nom encontramos a palavra 'senhor' que normalmente aparece nestas produções; dous, começa com umha evocaçom aos amigos, algo também estranho nestas composições; três, a mulher deixa de ser algo irreal para converter-se em umha mulher com os olhos verdes, traço polo que seria objecto de mofa o autor e polo que o chamariam alhos verdes, em fim, cousas da época. Como vedes, poderia seguir comentando esta cantiga, mas esses três traços concretos som os mais relevantes e fam que esta cantiga seja insólita.

domingo, 12 de outubro de 2008

Umhas questões

Hoje é 12 de Outubro e os espanhois celebram o seu dia nacional, mas eu quigera lançar umhas questões ao ar.

Que relaçom deve manter Galiza a respeito de Espanha e de Europa? Deve ignorar a Madrid e centrar-se em Bruxelas? Ao revés? Ou nengumha das duas?

Que opinades?

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Que crês que devemos fazer para o Passo de Equador?

Ontem terminou o praço para votar na pesquisa sobre o que críades que deveríamos fazer, os alunos de começam este ano 3º de Filologia Galega, para o Passo de Equador. Pois bem, com 24 votos emitidos, os resultados (por orde de opçom mais votada a menos votada) som os seguintes :

- Acto literário: 12 votos (50%)

- Camisolas: 10 votos (41%)

- Calendários: 3 votos (12%)

- Outr@: 2 votos (8%)

- Isqueiros: 1 voto (4%)

- Lotaria: 1 voto (4%)

Obrigado a tod@s @s que votastes.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Ensinar bem a nossa língua

Por José Paz Rodrigues

Num recente estudo de pesquisa sobre a problemática do ensino do nosso idioma, dirigido por Benito Silva do ICE da universidade compostelana, a conclusom mais importante que se tirou foi a baixa preparaçom didáctica dos ensinantes de língua galega de todos os níveis, o que, junto com outros problemas que padece desde há tempo a língua galega (descida alarmante de utentes, normativa artificial e artificiosa, infravaloraçom e complexos de galegos e galegas, excessiva politilizaçom do tema...), está a repercutir negativamente no desenvolvimento de uma língua internacional como a nossa, em território espanhol.

Por isto vem muito bem a iniciativa da AGAL (Associaçom Galega da Língua), organizando as “Jornadas de Didáctica da Língua Galega”, das que este ano tivo lugar a segunda ediçom no Liceu de Ourense. Por meio de colóquios, tertúlias, forum-cinema e mesas redondas, durante uma semana, tiraram-se importantes conclusões para a melhora do ensino da língua na nossa comunidade, oficial em oito países lusófonos dos cinco continentes.

Mas, a primeira conclusom básica é que necessitamos docentes com valores de bondade e alegria, que amem esta língua, que respeitem os seus alunos, que convençam sem impor e que tenham habilidades humanas, sociais e didácticas para desenvolver as suas aulas de maneira acertada. Para lograr que crianças, adolescentes e jovens apreciem a sua língua e a utilizem sem complexos em todos os contextos. Sem despreciar outras línguas, porque todas som importantes e apreciáveis.

Entre as propostas didácticas que nós fazemos para ensinar bem a nossa língua, estám as seguintes:

1. O melhor livro é a vida e o contorno, por isto devemos utilizar a natureza e o meio social e natural, as pessoas, os animais, as plantas, as árvores, as flores, os rios, o mar, a história local, a etnografia, os montes, os monumentos. Freinet na sua escola tinha isto muito claro. E também o nosso Otero Pedraio.

2. Temos que basear-nos sempre na afectividade e nos sentimentos:
Partir sempre dos interesses e preferências dos estudantes, dos seus gostos. Ter em conta a auto-estima, as atitudes e a valorizaçom da própria língua. Só se pode ensinar o que se ama, como muito bem sinalava Tagore.

3. Fomentar sempre a criatividade e as capacidades expressivas dos estudantes Ter em conta em todo o momento a participaçom dos estudantes e o seu trabalho individual e colectivo, levando a cabo, por exemplo, trabalhos de pesquisa em equipa sobre temas da nossa cultura e de todo o que a Nossa Terra oferece nos diferentes âmbitos.

4. Utilizar sempre técnicas lúdicas, vivas e dinâmicas: Dar importância às actividades artísticas variadas, aos jogos, à música e cantares, aos trabalhos manuais, ao teatro e aos monicreques...

5. Preferência Curricular para a Cultura Popular: Escapar do gramaticalismo, tam aborrecível e tam anti-motivador. Utilizar a literatura popular tam rica que temos. As adivinhas, ditos, refrães, poemas, lengalengas, recolheitas, os jogos populares e tradicionais (e ademais praticá-los), o ciclo anual das festas populares, a música popular, aprendendo a cantar as nossas formosas cantigas tradicionais, as artes e o artesanato, etc.

6. As actividades a desenvolver preferentemente, devem ser: o jornal escolar, as revistas e revistas orais, o teatro em todas as variedades (lido, monicreques, dramatizações...), os encontros lúdicos, o forum-cinema, as audições musicais de cantigas e poesias, os concursos e certames, as trocas escolares, as exposições e mostras, a elaboraçom de livros de bordo no computador, a banda desenhada, os obradoiros variados, a animaçom à leitura lúdica e criativa, os conta-contos, a filatelia, a correspondência inter-escolar, as monografias com rodízios de imagens, os recursos humanos da localidade (escritores, artistas, científicos, historiadores, etc).

7. Os Recursos Didácticos preferentes a utilizar seriam: De tipo impresso, os jornais galegos e os seus suplementos, os livros variados, as revistas e os folhetos e unidades didácticas. De tipo audiovisual, os CDs, DVDs, a rádio e os seus programas, os filmes galego-lusófonos. De tipo manipulativo, os jogos e os brinquedos, e a Internete, sabendo escolher o que mereça a pena. Os recursos humanos da localidade, muito importantes como sinalamos antes, e que podem acercar-se aos centros de ensino para dar charlas aos alunos e transmitir-lhes os seus saberes. Os recursos elaborados, como enredos e jogos tradicionais, filmagem de documentários e tiragem de fotografias. Por último, aqueles fornecidos, levados da casa dos alunos e docentes, do meio e do contorno, bibliotecas, museus, centros culturais...

Claro que para isto necessitaríamos mudar muitas cousas nas nossas escolas e centros de secundária, fazer um ensino muito mais flexível e criativo, dar importância ao que a tem e valorizar os docentes. A inovaçom que hoje nom temos na Galiza nem por sombras é uma tarefa muito urgente na Nossa Terra. Infelizmente pode ainda demorar. Porque há que mudar já os administradores da educaçom e a mente de muitos directivos e docentes. A tarefa é de gigantes e de pessoas com paciência e dignidade.

-------------------------------------------------------------------------------------------------

(*) José Paz é professor numerário da Faculdade de Educaçom de Ourense.

Para ler a nova no seu lugar de origem, preme aqui

domingo, 21 de setembro de 2008

Antónia Luna, professora de galego em Buenos Aires

"Eu nom o verei, mas o reintegracionismo vai prender"

Fundadora de Amigos do Idioma Galego e mestra de galego integrado na Argentina, Antónia Luna (85 anos) visita estes dias Noia, a vila de seus pais.

Antónia é galega mália nom nascer aqui. Fijo-o em 1923 em Buenos Aires, onde reside hoje e onde exerce de embaixadora da nossa cultura. Filha do presidente fundador da Sociedade dos Filhos do Partido Judicial de Noia em Buenos Aires, o seu achegamento a todo o que tivesse o galego como definiçom foi um jeito de evoluçom natural. De nena já recitava poemas de Rosalia ou Cabanillas, e quase que aprendeu a ler coa única página galega que os domingos incorporava o jornal "Correo de Galicia". Estes forom os seus primeiros contactos coa nossa língua, um idioma que, por certo, nom empregavam os seus pais acotio, empuxados por um contexto laboral eminentemente formado por argentinos e italianos: "o meu pai era sapateiro e nom empregava o galego porque nom tivo a oportunidade, emigrou com oito anos e já nom tinha ninguém com quem falá-lo", relata Antónia.

Àquelas forom as origens, mas os vencelhos de Antónia Luna coa nossa língua estreitarom-se com o passo dos anos: hai agora 31 inscreveu-se no seu primeiro curso no Centro Galego de Buenos Aires, lugar onde conheceria ao seu mestre, entom e agora, Higino Martins Estêvez. El introduciu-na no interesse polo galego integrado, já que o outro, para Antónia, nom é máis que "castrapo, um galego arruinado". Desde entom até hoje, o trabalho pola língua que exerce esta mulher na Argentina nom encontrou freio. De aluna passou a mestra e hoje colabora na Federación de Sociedades Galegas no ensino do galego. Tenhem uns 50 alunos, interessados todos eles no conhecemento do galego "nom deturpado polos hispanofalantes", se bem os mais topam dificuldades e lamentam que esse "nom seja o galego que falavam os seus avós". Neste caminho, Antónia mesmo viveu a expulsom do Centro Galego de Buenos Aires a onde "nos proibírom a entrada porque eramos reintegracionistas, nom queriam essa história porque já iam mestres desde Galiza pagados pola Administraçom para ensinar o galego da Junta (...) foi umha decisom tomada por questões políticas".

O galego e o lunfardo

Pero as achegas de Antónia ao estudo da nossa cultura nom terminárom aí. Fundadora de Amigos do Idioma Galego, no seu interesse em profundar na nossa lingua participou em diferentes congressos. Num deles recompilou o trabalho levado a cabo por professores de galego em Buenos Aires. Noutro, aproximou-se a unha questom bem desconhecida: fijo umha recolheita dumhas 80 palavras procedentes do galego–português que ficárom na língua lunfarda (argot de origem popular que hoje ainda se fala no Rio da Prata). Termos como gaiola (por cárcere) ou tamanco (por sapato ou zanco) entre outras de origem galega empregam-se ainda hoje em contextos menos cultos desta regiom argentina.

Expectativas para o futuro

Antónia vem agora de passar uns dias em Noia onde a sua família. De aqui também levou terra galega, da horta da sua nai (da Barquinha) e da do seu pai (de Albariça), umha terra que hoje preside a sua casa bonaerense e que lhe recorda aos parentes, a Noia e a Galiza, um país do que lhe custa muito ir-se. Aqui regressa cada três anos e hoje asegura que é mais optimista com o futuro da nossa lingua: "a partir do ano 1976 eu percebo muita mais gente falando galego, hoje fala-o toda a gente nova". Em quanto ao futuro do reintegracionismo, Antónia também asegura estar esperançada: "eu sinto que hai muito interesse, na Argentina falamo-lo, isso si, como sabemos (...) penso que acá se está luitando mui a sério, lá os que luitamos somos nós".

Para ler a nova em versom original premede aqui. Ademais, contem um vídeo coa protagonista desta história. Também a podedes ver no PGL.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

O Perdom

A Liberdade, a Confiança, a Lealdade, a Fidelidade, a Sabiduria... Todas estas palavras tenhem nome de mulher, deve ser por isso que hai homes que nom as sabemos usar e quando o fazemos, fazemo-lo mal e temos de pedir Perdom (esta com nome de home, por que será?).

O género masculino somos o pior que lhe pudo passar à espécie humana, nom sabemos tratar nada bem às Gerdas Lerner, às Alexandras Kollontai ou às Venus que temos ao nosso carom, já sejam as nossas amigas ou a nossa parelha. Ainda nom somos capaces de vê-las como o que som, persoas.

Por isso, pido perdom a todas àquelas mulheres que se sentirom ofendidas por algum comentário que figem ou por algum facto do que nom gostarom. Para algumhas pode que seja tarde e para outras, o médio pode que nom seja o melhor. Ainda assi, recebede este perdom com total sinceridade.

Texto tirado de aqui

domingo, 14 de setembro de 2008

O juízo final

Com o amencer do preto dia, espertam os mortos. O aturujo com o que se erguem escuita-se em tudo o lugar, a gente atemorizada nom ousa sair da casa por medo a que lhes ocorra algo, o qeu nom sabem é que isso nom vale para nada...


Umha nova era está a piques de começar.

Texto tirado de aqui

terça-feira, 9 de setembro de 2008

A cegueira da cidade

Sopra o vento na cidade mentres vampiros atormentados pousam o seu preto sangue ao pé duns leitos ocupados durante muitas noites por estranhos vermes vindos coa terra sagrada do cemitério. O chorar dum pícaro mestura-se com o ruído das folhas que caem do Outono acabado de começar. Ninguém se decata, tod@s seguem ao seu...

É 23 de fevereiro de 2088.

Texto tirado de aqui

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Dous, nom sempre é igual a um mais um

Ela + ela = 2

Ele + ele = 2

Ela + ele = 2

Ele + ela = 2

Ela + ti = 2

Ti + ela = 2

Ele + ti = 2

Ti + ele = 2

Eu + ti = 12 + 1

domingo, 31 de agosto de 2008

Sem terminar

Intangível como poucas cousas
é uma experiência vetada.
Lutar por ela, é como lutar
pola borralha.

Tocá-la coa ponta dos dedos
e sentir que está afastada
é o pior que pode sentir
até uma alimária.

Santo2000

Composiçom baseada nesta cançom:

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

O jogo das semelhanças e das diferenças: Sérgio Steiner

Alvo de ataques contra a língua

PGL - Do PGL propomos hoje um jogo consistente em encontrarmos semelhanças e diferenças entre as recentes declaraçons do jogador de futebol Sergio González (Desportivo da Corunha) e as do intelectual francês George Steiner. As manifestaçons de ambos aos jornais Depor Sport e El País, linguisticamente xenófobas, tenhem gerado um alargado debate na rede e, também, dado nas vistas a respeito do seu desconhecimento da língua e cultura galegas. O certo é que Sérgio Steiner parece ser o sonho tornado realidade para o espanholismo galego.

Sérgio González: o desportista

O actual jogador do Desportivo da Corunha e ex-jogador do Espanhol de Barcelona, disse numa entrevista publicada no domingo 10 de Agosto polo diário Depor Sport (entrevista na íntegra aqui, págs. 2-4), entre outras muitas coisas, que o catalám e o galego nom som idiomas mas «dialectos do castelhano, como o asturiano».

Sergio González afirmou também que embora tivesse nascido em Barcelona e vivido em L’Hospitalet durante muitos anos, nom falou nunca catalám, portanto falar agora galego na Galiza seria «uma falta de respeito», apesar de que afirma entendê-lo [o 'dialecto' galego]. De idiomas confessa conhecer bem só o castelhano, e afirma ter aprendido algumas noçons de inglês na escola.

Sergio diz, igualmente, que se sente orgulhoso de ser «catalám e espanhol» e que gosta de defender as camisolas das selecçons catalá e espanhola, mas recorda que é espanhol e que portanto «Espanha tem que estar unida». Manifesta-se também contrário ao casal homossexual («o homem é para a mulher e a mulher para o homem»).

George Steiner: o intelectual

O suplemento El País Semanal publicava neste passado domingo, 24 de Agosto de 2008, umha alargada entrevista com o filósofo, crítico literário e ensaísta, George Steiner, prémio Príncipe das Astúrias em 2001. O seu último ensaio, Os livros que não escrevi, tem a ver com a linguagem e, alegadamente, faz uma defesa das línguas minoritárias, algumas das quais imagina ele que devem ser excelentes para praticar sexo...

Na entrevista fica claro o desconhecimento de Steiner a respeito de muitos assuntos relacionados com a Galiza e o galego. Assim, o galego surge ao se mergulhar no problema basco, quando fala em que «esse idioma [o éuscaro] tam misterioso é muito raro, muito poderoso», e isso talvez faga com que «a essa gente [ETA] lhe resulta tam impossível aceitar o mundo exterior».

Quando o jornalista parece querer saber se realmente acha que a língua é a causa do problema basco, Steiner, dá um giro na conversa e, misturando alhos com bugalhos, fala em que «há umha universidade em Espanha em que é obrigatório falar em galego».

O jornalista, mais conhecedor do caso catalám, fala entom na Catalunha, mas Steiner espeta «mas nom me compare o catalám com o galego! O catalám é um idioma importante, com uma literatura impressionante. Mas o galego, por que tem de ser obrigatório numha universidade?». Precisamente, estas declaraçons obtiveram já resposta da Asociación de Escritores en Lingua Galega (AELG), que critica «o desconhecimento tam elevado da nossa literatura» por parte do intelectual francês a advoga por impulsionar «as estruturas estáveis já existentes» para espalhar polo mundo a literatura e cultura galegas.

Voltando à entrevista, o caso galego parece ser o alvo para Steiner explicar o «ódio étnico como o que existe nos Balcás». Ou ainda, «repare também no que está a ocorrer na Bélgica!», afirma.

Steiner salienta, igualmente, que vive, escreve e pensa em quatro idiomas e que considera a traduçom simultânea como um orgasmo. De facto no seu livro, cuja ediçom em galego (português) podemos encontrar editado pola Gradiva Publicações, relata, entre outras coisas, a suas experiências do sexo em línguas diferentes.

E a entrevista continua...

domingo, 24 de agosto de 2008

Melhores Jogos da história de Galiza

As quatro medalhas e os tres diplomas acadados polos desportistas galegos constituem a melhor participaçom do nosso desporto nuns Jogos Olímpicos. Com este resultado Galiza colocaria-se no 31º lugar do medalheiro, por diante de estados como Argentina, México, Portugal, Suíça ou Bélgica. Com os dous ouros acadados em vela e canoagem Galiza aporta o 40% dos atribuídos à delegaçom espanhola.

Estes Jogos Olímpicos também consolidam a David Cal como o desportista com mais medalhas da história do desporto galego, já que suma quatro, mas terá que aguardar a Londres para igualar ou superar a Pedro Cea, que segue à frente do medalheiro galego com dous ouros.

Para ler a nova enteira preme aqui

domingo, 10 de agosto de 2008

Grande o Mestre, coma sempre.

"Estamos fartos de ser unha colonia, e por moitas ventaxas que nos oferecese unha nova colonización queremos ditar leis para gobernarnos por elas, sen inxerencias alleas".

"En nome de Hespaña fala o seu Goberno lexítimo ou fala un gran hespañol; pero en nome de Galiza falará Galiza. Estamos fartos de imperialismos".

"Eu dígovos que os galegos sóio impoñeremos respeito cando se nos considere capaces de tronzar os vencellos que nos xunguen a Hespaña e cando nós mesmos deprendamos a vivir con absoluta independencia dos hespañoes".

Alfonso Daniel Manuel Rodríguez Castelao

Frases tiradas do blogue Foulas

terça-feira, 29 de julho de 2008

Erguede-vos, moç@s galeg@s

Abre-se o caminho cara a luz do infinito.
Passos cansos começam a irromper,
o corpo corrupto deixa-se morrer
e tu segues sem saber o que te necessito.

Tentar, tentei-no, mas já nom podo mais.
Nom te conseguim até agora e já nom o farei.
Deixo aos que venham atrás o que nunca logrei
e que eles continuem a lutar pola sua mãe.

Soavas nos meus ouvidos como algo possível.
Por isso, busquei por ti sem te encontrar,
mas sabendo que eras quase intangível.

Ó independência! Clama por ti umha naçom.
Alcançar-te é tarde para este velho perdedor,
mas fica-lhe aos novos cumprir essa missom.

Santo2000

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Independência


A independência, numa ordem diferente de cousas, é claro, é para a mente que se quer pensar livre como o alimento é para o corpo que se quer vivo; e do mesmo jeito que os que vivem na fartura nunca se preocupam dos alimentos que lhes sobram, os que vivem em territórios com independência não se têm de preocupar por ela. A necessidade de independência se sente só quando a não temos, o mesmo que a necessidade de comer se sente só quando temos fome.

Uma pessoa que nunca na sua vida tivesse sentido fame dificilmente poderia imaginar como se sente a necessidade de comer; bom, essa pessoa provavelmente não sobreviveria muito tempo. Com a necessidade de independência sucede algo similar, as pessoas que moram em lugares que são independentes não sabem o que é sentir essa necessidade, porque nunca a sentiram, e negam que essa necessidade mesmo exista... E isto não só é egoísta, mas também é irracional. Imaginemos o que aconteceria se a gente que vive instalada na opulência neste planeta negasse o direito dos que morrem esfameados a tentarem procurar alimento... e em certo sentido isto também se esta a fazer, porque é um facto que há gente, mesmo crianças, morrendo por inanição...

Uma prova de que todo o mundo, todos os países, querem a independência, é que estes contam com um grupo armado para defendê-la a todo custo; e se há algum que não tenha este grupo armado, rapidamente o constitui, ou o procura entre seus amigos para defender a sua independência caso esta estar em perigo. Os grupos armados, os exércitos, não são como um grupo de dança ou uma banda de música para amenizar as tardes outonais; não, um exército é um grupo armado para defender a independência do país ao que pertence.

Então podemos deduzir que todo o país com sua independência, com seu grupo armado para defendê-la, é a favor da luta armada, ou então não teria exército; e este modelo dos países independentes é com frequência copiado polos países que não têm independência, para conseguí-la, e uns conseguem e outros não, mas mentes não conseguem todos são chamados de terroristas. Mas fora dessa forma de os nomear, as duas diferenças que eu ressaltaria são, em primeiro lugar, que os grupos armados dos países independentes têm muito mais poder (que não se deve confundir com legitimidade); e em segundo, que os que procuram a independência encontram-se com uma dificuldade acrescentada, e é que há algum outro que lhe nega o seu direito a ser independente, e mesmo lho tenta impedir.

Fora estas duas, eu não vejo maiores diferenças entre uma e outra forma de luta armada; e mesmo sendo eu contra toda forma de luta armada, como o foi Martin Luther King ou como o foi Gandhi ou como também o era Castelao, há uma cousa que acho paradoxal, e é que aos países a quem se lhes nega o direito a serem independentes, lhes é negado por outros que sim o são, e têm seu grupo armado para defendê-la, e isto eu chamo de hipocrisia, e não me parece aceitável, porque o não posso entender. Como não poderia entender que os que vivem na opulência roubassem os alimentos dos esfameados, e não por eles necessitar essa comida para viver, mas só para que os outros não vivam...

Por tanto, tentar evitar que um povo, que por circunstâncias históricas perdeu a sua independência, a recupere, é fazer que esse povo se mantenha submetido, é negar-lhe os seus direitos, e é certamente negar o próprio povo, e é também, sem dúvida, querer mantê-lo escravo... é enterrá-lo em vida, o que é a pior forma de morte... Porque para morrer todos sabemos que nascemos, e aceitamos; o que não temos por que aceitar é nascer para não existir... Neste sentido a luta pola independência é a luta pola existência; e esta luta, embora deve ser sempre levada a cabo sem usar armas que atentem contra a vida física das pessoas, é o único jeito de liberdade que nos resta...

terça-feira, 22 de julho de 2008

España, una sola nación de ciudadanos.

Quando falamos de nacionalismo espanhol sempre se nos vai a cabeza a pensar na ultradereita, ou nom tan ultra, mas também hai casos de esquerda ou ultraesquerda espanholista, um bom exemplo e o posto hoje aquí, ainda que poderia pôr qualquer outro.

Em primeiro lugar: Nom por ser nacionalista, já seja basco, catalám, galego ou de qualquer naçom sem estado, tés de ser de dereitas (podes sê-lo, nom o nego), defender a burguesía, ao capitalismo ou qualquer manifestaçom rancia-conservadora.

Em segundo lugar: Eu nom quero uma Espanha melhor, eu o que quero é uma Galiza melhor, ceive e socialista e solidária, isso si, cada povo que lute polo seu, se se pode ajudar, ajuda-se, mas fazer nós tudo o trabalho para que venham outros levar os benefícios, isso nunca, já bastante fama temos de parvos. Solidários si, parvos nom.

Em teceiro lugar: Já estou até os colhons, perdom polo palavro, mas é o que sinto, de que nos ignoren e que nos tenham à marge em tudo, por exemplo e ainda que semelhe uma parvada, o outro dia num espaço de Antena 3, chamado "Crono, el buen estado de las playas" falavam de Espanha como o estado com mais bandeiras azuis. A continuaçom, falava-se do bom tempo que fazía polo Levante para terminar dizendo que polo norte ia chover. Em nengum intre dixerom que Galiza é a "regiom" que mais bandeiras azuis tem do mundo e que aqui, mais concretamente nas ilhas Cies, está a praia com a auga mais limpa, isso nom o dim porque igual podemos ganhar-lhe algo do turismo ao Mediterráneo.

Como dixo Castelao: "Estamos fartos de ser uma colónia", mas tampouco queremos ser vasalos nem da igreja, nem do exército, nem da economia, nem de nada. O povo galego tem de entender duma vez por todas que o melhor para nós, por ser tradicionalmente marinheiros e labregos (ainda que isso está a trocar) é sermos uma naçom economicamente marxista, único sistema que defende realmente os interesses do povo.

E para acabar, basta já dos tópicos, como que os galeg@s somos ignorantes, imbéciles, que o nosso acento é gracioso...

Viva Galiza ceive e socialista!!!

O texto foi tirado de: http://www.fotolog.com/gueceteiro/18984370

domingo, 20 de julho de 2008

Nascer para sofrer?

A vida é um sofrimento contínuo. Quando nom sofres polo amor que sentes cara umha persoa, sofres polo amor que sentes à pátria. A final, ainda vam ter razom os cristãs e a vida é um vale de lágrimas.

E esta a responsabilidade que temos por nascer humanos? Ser seres superiores leva consigo sofrer?

Um dia, um grande amigo dixo-me: Antes de conseguir engatar umha rapariga da qual gostas, vas chorar, ver-te com todos os defeitos do mundo, sentir-te inferior, pensar que nunca vas consegui-la. A final, se nom cometes erros, será a tua "petite amie", como gosta de chamá-la ele, mas antes disso, tés de sofrer muito.

Aguardo nom chorar, mas se com isso chega, chorarei tudo o que faga falta.


quinta-feira, 17 de julho de 2008

Escudo da Nova Galiza

O escudo que hoje preside este blogue foi desenhado por don Alfonso Daniel Manuel Rodríguez Castelao como símbolo da Nova Galiza que se estava a construir.

Velaquí as verbas do insigne galeguista a respeito da criaçom do escudo:

"O emblema comunista -fouce e martelo cruzados- que expresa a unión entre obreiros e campesiños, atrae a nosa atención, porque quixéramos dar cun símbolo igoalmente afortunado que representase a unión dos labregos e mariñeiros de Galiza". "Non nos queda máis remedio que a fouce de ouro sobor dun fondo azul e estrela vermella, como lemas do Traballo e da Liberdade (con maiúsculas). Ourelando o escudo, cumpriría deixar patente o martirio de Galiza". (Martirio de Galiza por ser vítima secular do centralismo-asimilista). Este é o significado de "Denantes mortos que escravos". "E a sirea -continua Castelao-, que perteñece á heráldica galega, como símbolo mariño que fale do engado atlántico, orixe das nosas aventuras".

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Viva Nero!!!!

Ontem houve um debate na televisom sobre se se deveria proibir ou nom as "festas" dos touros. So pudem ver uns cinco minutos porque nom aturava os argumentos que usavam os defensores destes eventos. Argumentos como: ninguém se regozija com o sofrimento do touro, que este nom sofre, som festejos que pertencem à tradiçom, som parte do atractivo turístico da Espanha, som algo típico... Se estes som os seus "raciocínios" chega com dizer: Viva Nero!!!

Necessitamos outro como el, alguém que volte fazer espectáculos com cristãos. Porque ninguém se regozijaria com o seu sofrimento (sobre tudo agora que estam tam pesados com a nom laicidade do Estado e com outras cousas), porque os cristãos nom sofrem (Se suportarom ter o poder durante a ditadura, porque iam sofrer agora?), porque pertence à tradiçom (tradiçom que vem desde o século I d.C.), porque seriam parte do atractivo turístico da Galiza (Já estou a ver os cartazes: Venham a Galiza, o lugar onde se podem desfazer dos cristãos e ademais passá-lo bem com eles.), e porque o fariamos algo típico de aqui (como as festas dos velhos, o polvo à feira, as empadas...).

Já sei que os meus argumentos som maus e nom convencem a ninguém, mas, nom credes que os argumentos dos defensores das "festas dos touros" som ainda piores?

domingo, 6 de julho de 2008

Fundaçom Artábria anuncia nova campanha a prol do Dia das Letras 2010 para Carvalho Calero

RAG elegeu hoje Ramón Pinheiro para o Dias das Letras 2009


PGL - A RAG elegeu hoje Ramón Pinheiro, o candidato pró-oficialista, como figura a homenagear no próximo Dia das Letras em 2009. Mais umha vez, as esperanças de todo o pessoal que tem trabalhado a prol do reconhecimento do Dia das Letras para Carvalho Calero batérom com a RAG e o roteiro marcado polo representante do "galeguismo difuso".

Mas a luita continua, da Fundaçom Artábria emitiram para já um comunicado através do qual anunciam que "desde hoje mesmo começa umha nova campanha para pedir que o ano 2010, em que se cumpre o 1º centenário do nascimento de Ricardo Carvalho Calero, seja o ano do professor ferrolano como figura reconhecida e homenageada".

A respeito de Ramón Piheiro, muitos sectores, além do próprio reintegracionismo, coincidem em classificar a sua figura como bem funesta para o galeguismo linguístico e político, nomeadamente na década de setenta e oitenta do século passado.

Comunicado da Fundaçom Artábria

Tendo conhecimento de que, mais umha vez, a Real Academia Galega voltou a rejeitar a proposta realizada pola nossa entidade, e apoiada por tantas outras associaçons, instituiçons, partidos, sindicatos, centros sociais, centros de ensino, etc, que durante o último ano reclamamos um reconhecimento institucional para um dos grandes do século XX galego, a Fundaçom Artábria anuncia que desde hoje mesmo começa umha nova campanha para pedir que o ano 2010, em que se cumpre o 1º centenário do nascimento de Ricardo Carvalho Calero.

Sabemos, porque está mais do que comprovado, que a chamada 'Galicia Oficial' nom gosta do que Carvalho Calero representa para a nossa cultura e para a nossa língua: umha dimensom internacional para umha Galiza em construçom como naçom soberana. Porém, também sabemos que torres maiores caírom e quer a oficialidade actual, quer a que venha, terám que acabar reconhecendo o valor da obra do intelectual ferrolano, galego e universal.

Agradecemos a todas entidades e pessoas que aderírom à campanha que agora damos por concluída, e esperamos contar com todas elas e com mais galegas e galegos para o próximo objectivo: Carvalho, Letras Galegas '10 !!!

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Carvalho Letras Galegas'09

ADESONS INDIVIDUAIS

1.- Xabier Dourido Doval (Neda)
2.- Xosé Teixido Vidal (Narom)
3.- Carme Campo Martins (Porrinho)
4.- Bruno Lopes Teixeiro (Ferrol)
5.- Ramiro Vidal Alvarinho (Oleiros)
6.- Ernesto Lopes Dias (Ferrol)
7.- Aida Vasques Varela (Corunha)
8.- Íria Rodrigues Seixo (Fene)
9.- Maria Alvares Rei (Compostela)
10.- Esperanza Rocamonde Igrejas (Compostela)
11.- Maria Garcia Blanco (Lalim)
12.- Luis Iglesias Rodrigues (Lalim)
13.- Erea Estevez Campos (Corunha)
14.- Mª Xosé Abeijom (Corunha)
15.- Narciso Vasques Garcia (Corunha)
16.- Dolores Garcia Fernández (Pontedeume)
17.- Francisco Varela López (Ares)
18.- Xoán Iglesias (Pontedeume)
19.- Arturo Salorio (Pontedeume)
20.- Francisco Martins Rodrigues (Ferrol)
21.- Juan Aguiar (Neda)
22.- Fátima Pita Pérez (Fene)
23.- Manuel Diaz Armentia (Ferrol)
24.- Mercedes Ces Riobóo (Narom)
25.- Jaime Mosquera Moré (Neda)
26.- Paulo Rico Painceiras (Ferrol)
27.- André Pena Rodrigues (Ferrol)
28.- Eduardo Carpente (Pontedeume)
29.- Natividad Grandal Crespo (Narom)
30.- Monica Otero Beceiro (Ferrol)
31.- Estela Iglesias (Ferrol)
32.- Luis Suarez Ruiz (Ferrol)
33.- Luis Pena Mosquera (Viveiro)
34.- Carme López López (Viveiro)
35.- Alfredo Irixoa Neira (Corme)
36.- Rubén Sequeiro López (Ferrol)
37.- Saleta Cundis Fernández (Corunha)
38.- Carlos Garcia Seoane (Ferrol)
39.- Ernesto Espinha Calo (Cambre)
40.- Sofia Arrebola (Cambre)
41.- Fernando Martins Lopes (Narom)
42.- J. Luis Fernández Fernández (Lugo)
43.- Fermin Castro Fernández (Pontedeume)
44.- Oscar Vázquez Rivera (Pontedeume)
45.- Miguel Carpente (Pontedeume)
46.- Ana Vizoso (Pontedeume)
47.- Carmem Otero (Pontedeume)
48.- Monica Santiago (Narom)
49.- Montse Diaz (Narom)
50.- Rafa Odea (Vigo)
51.- Maria Cerdeiro (Arteixo)
52.- Raquel Hermeda (Sam Sadurninho)
53.- Elena Diaz (Neda)
54.- José Luis Cunha González (Ferrol)
55.- Xosé Riveiro (Sada)
56.- Irene Ruiz (Mugardos)
57.- Antón Castro Ferreiro (Pontedeume)
58.- Rosalia Cortizas Leira (Ferrol)
59.- Oscar Fojo Lamas (Ferrol)
60.- José Sanmartim Bouça (Fene)
61.- Miguel Anxo González Garcia (Ferrol)
62.- Mª Isabel Sanles Bacelo (Ferrol)
63.- José Maria Rodriguez Aneiros (Ferrol)
64.- Cristina Corral Campelo (Ferrol)
65.- Cristina Amor Faya (Ordes)
66.- Silvia Amor Faya (Ordes)
67.- Antóm Fortuna Rodriguez (Ferrol)
68.- José Dias Cadaveira (Compostela)
69.- Eliseo Zaera Rios (Ferrol)
70.- Alexandre Carrodeguas Martin (Valdovinho)
71.- Mónica García Pérez (Compostela)
72.- Luz Torrente López (Mugardos)
73.- Xende Lopes Teixeiro (Ferrol)
74.- Carlos Xabier Martinez Louro (Ferrol)
75.- Luis Losada Barros (Ferrol)
76.- Chema Fernández Alonso (Ferrol)
77.- Xosé Luis González Sende (Compostela)
78.- Miguel Garcia (Lira)
79.- Xosé Penabade González (Compostela)
80.- Aurora Rivas Hernández (Ferrol)
81.- Mª Xosé Doce Rey (Ferrol)
82.- Comba Campoy Garcia (Compostela)
83.- Xacobo Castro Torres (Compostela)
84.- Yolanda Diaz (Ferrol)
85.- Andrés Meizoso (Ferrol)
86.- Antonio Romanis (Compostela)
87.- Carlos González Meixide (Corunha)
88.- Carlos Morais Álvares (Compostela)
89.- Oscar Peres Vidal (Narom)
90.- Manuel Pérez Vidal (Narom)
91.- Eva Quintela Fernández (Narom)
92.- Avelino Calvo Romero (Narom)
93.- Cristina Martinez Padin (Narom)
94.- Rocio Doce Teijeiro (Narom)
95.- Alexandre Lois Romero Maseda (Minho)
96.- Álvaro Lamas Banhos (Vigo)
97.- Noa Rios Bergantinhos (Ponte Vedra)
98.- Igor Lugris (Ponferrada)
99.- Jesús Calvo Pita (As Pontes)
100.- Cristina Meizoso Alonso (Ferrol)
101.- Marga Blasco Fernandes (Vigo)
102.- David Filgueiras Cabaleiro (Corunha)
103.- Leandro Lamas Ermida (Neda)
104.- Xosé Tubio Rodríguez (Cambre)
105.- Lucía Rodríguez Cao (Cambre)
106.- Marcos Sebastián Pérez Pena (Neda)
107.- Antonia Teijeiro Losada (Ferrol)
108.- Maurício Castro Lopes (Ferrol)
109.- Maria J. Diaz Pinheiro (Lugo)
110.- Maria Ósorio López (Compostela)
111.- Lucía Leiros Comesaña (Vigo)
112.- Marcelo Rodríguez Acosta (Porrinho)
113.- João Fontenla Figueroa (Lugo)
114.- Vítor Andrade Vasques (Corunha)
115.- Javier López (Barcelona)
116.- José Ramao Garcia Carvalheira (Corunha)
117.- Xosé Constenla Vega (Compostela)
118.- Afonso Mendes Souto (Corunha)
119.- Maria Gomez Diaz (Lugo)
120.- Brais Santomil Cao (Compostela)
121.- Diego Bernal Rico (Corunha)
122.- Joám Peres Lourenço (Compostela)
123.- Roberto Rodriguez Fialmega (Vigo)
124.- Aarom Lopez Rivas (Compostela)
125.- Carlos Barros Gonçalves (Compostela)
126.- Zélia Garcia Parra (Vigo)
127.- Roi Ribeira Becerra (Compostela)
128.- Jéssica Vilas Martinez (Bertamiráns)
129.- Iris Carro González (Bertamiráns)
130.- Miguel Quintáns López (Compostela)
131.- Rubén Melide Romai (Amés)
132.- Adrián Mosquera Pazos (Bertamiráns)
133.- Francisco Pérez Dieguez (Verim)
134.- Dolores Pérez González (Verim)
135.- Xosé Garia López (Padrom)
136.- Joxemari Etxaniz Zorrilla (Compostela)
137.- Santiago Rouco Santos (Compostela)
138.- Miguel Monteagudo Frangueira (Compostela)
139.- Fernando López López (Compostela)
140.- Marta Ramos López (Lugo)
141.- Rosana Valle Yañez(Burela)
142.- César Campos Carvalhude (Compostela)
143.- Manuel Amor Couto (Compostela)
144.- M. Felisa Rodríguez Prado (Compostela)
145.- Carlos González Figueiras (Compostela)
146.- Carmen Villarino Pardo (Compostela)
147.- Carlos Quiroga (Compostela)
148.- Xavier Rodríguez Somoza (Corunha)
149.- Iago Montes Martínez (Ferrol)
150.- André Cerdido Pastor (Ferrol)
151.- Roberto Bouça Orosa (Burela)
152.- Vítor Manuel Lourenço Peres (Ourense)
153.- Manuel Pinheiro Gonzales (Cangas)
154.- Paula Pereira Carreiro (Ponte Vedra)
155.- Manuel Sánchez Díaz (Mos)
156.- Carlos Calvo Varela (Ordes)
157.- Diego Pérez Cordeiro (Moanha)
158.- Santiago Balea Durán (Ponte Vedra)
159.- Gonzalo Corral Hernández (Ponte Vedra)
160.- Antia Marinho Ribadulha (Ponte Vedra)
161.- Andrés Argibay Montes (Ponte Vedra)
162.- Javier Baladrón Pazos (Ponte Vedra)
163.- Jorge Outeiro (Ponte Vedra)
164.- Laura Quintillán (Ponte Vedra)
165.- Odin Suarez Perez (A Lama)
166.- Ivan Varela (Redondela)
167.- Rafael Maqueira Calza (Ponte Vedra)
168.- Anjo Torres Cortiço (Bueu)
169.- Noa Rios Bergantinhos (Ponte Vedra)
170.- Henrique Torres Fernández (Ponte Vedra)
171.- Aarón Silva Sanchez (Ponte Vedra)
172.- Hector Fernández Gandara (Ponte Vedra)
173.- Alfonso Diaz Andrés (Ponte Vedra)
174.- Víctor Vieitez Vidal (Ponte Vedra)
175.- Borja González Castro (Ponte Vedra)
176.- Jorge Outeiro (Ponte Vedra)
177.- David Rodríguez Alonso (Poio)
178.- Fernando Alba Pérez (Combarro)
179.- Adriám Argivai Pedrosa (POnte Vedra)
180.- Ignácio Martinez Martinez (Ponte Vedra)
181.- Alexandre Rios Bergantinhos (Ponte Vedra)
182.- José Miguel Pérez Blecua (Moanha)
183.- Jorge Pérez Blecua (Moanha)
184.- Alejandro Barreiro Pérez (Ponte Vedra)
185.- Sofia Quiñonero Linde (Madrid)
186.- Xaime Cortázar (Ponte Vedra)
187.- Roberto Pérez (Ponte Vedra)
188.- Laura Arjonilla (Corunha)
189.- Diego Santório (Vigo)
190.- Antón Álvarez Sanz (Oleiros)
191.- Eduardo Lorente Andrade (Compostela)
192.- Cilha Lourenço Módia (Corunha)
193.- Alva Martínez Teixeiro (Corunha)
194.- María Luísa Moreda Leirado (Lugo)
195.- Xoán Luís López Viñas (Corunha)
196.- Leticia Eirín García (Corunha)
197.- Carme Fernández Pérez-Sanjulián (Corunha)
198.- Ofelia Río González (Burela)
199.- Águeda María Fernández Villares (Lugo)
200.- Bernal Vilela López(Corunha)
201.- Moisés Castro López (Corunha)
202.- Ana Martins Fernández (Corunha)
203.- Manuel Lourenzo Pérez (Corunha)
204.- Montserrat Modia Olalla (Corunha)
205.- Brandán Lourenzo Modia (Corunha)

Estas som as adesons individuais da campanha feita pola Fundaçom Artábria para que lhe dedicassem o Dia das Letras Galegas 2009 a D.Ricardo Carvalho Calero. Já nom é possível, porque o próximo ano o dia das nossas letras estará dedicado a Ramón Piñeiro. Ainda assi, adire-te a esta campanha para que a R.A.G. se entere da quantidade de gente que está a favor de um Dia das Letras Galegas para D.Ricardo. Para isso, tés de premer aqui e encaminhar um correio com nome e apelidos, bilhete de identidade e localidade. Os dados enviados nom aparecem no momento na listagem de adesons, tés de aguardar muito tempo, mas ao final aparecem.

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Vídeo da conferência central do encontro Somando Esforços pola Língua

PGL - No dia 16 de Fevereiro de 2008, o Verbum - Museu das Palavras (Vigo - Galiza), foi palco das jornadas Somando Esforços pola Língua, organizadas pola AGAL. Na sequência dessas jornadas, o professor da EOI de Compostela, Eduardo Sanches Maragoto, deu uma interessante conferência subordinada ao título "Modelo linguístico normalizador e alternativas de sucesso", cujo vídeo damos a conhecer agora.

A palestra do professor Maragoto estivo virada para o modelo de língua, o modelo de correcçom, a própria correcçom lingüística no uso do galego, a dialectizaçom do galego com respeito ao castelhano e, novamente, a utilidade do reintegracionismo nestes aspectos. Muito esclarecedores fôrom os exemplos audiovisiuais analisados, como o modelo de galego utilizado no bem sucedido documentário Línguas Cruzadas.

sábado, 28 de junho de 2008

Precisamos ideias

Já ficou atrás segundo (ainda que haja de aguardar polas qualificaçons, e ir a Setembro). Agora toca pensar em terceiro, nom nas matérias que imos ter, senom no Passo de Equador.

O destino será, se ninguém o impede, o Brasil. Mas, temos de pensar como juntar o dinheiro que nos fai falta para ir lá.

De estardes inspirados e ter algumha ideia,
agradecer-vos-emos que no-las dixérades.

Muito obrigado

terça-feira, 24 de junho de 2008

A história oculta

O que se transcreve a continuaçom é umha página do diário de um senhor falecido no dia de hoje. Nom se sabe se o motivo da sua morte foi a sua avançada idade ou a notícia do falecimento da mulher da que fala na seguinte história.

Martes, 24 de Junho de 2008.

Enterei-me hai pouco do falecimento da mulher á que eu mais amei na minha já longa vida. Guardei durante muito tempo este segredo e creio que já é hora de desvelá-lo. Nom aturo mais este tormento que me consome por dentro. Estivem com muitas mulheres, casei três vezes e divorciei-me outras tantas. Nunca me saiu bem umha relaçom estável, por que nunca pudem esquecer àquele amor que me marcou por sempre.

Tenho oitenta e dous anos e vejo rente à morte, mas nom quero que me enterrem com isto dentro minha. Por isso hoje, com os últimos folgos, vou-vos contar a história daquele amor.

Tínhamos catorze anos. Íamos no mesmo liceu, no mesmo curso, ainda que em aulas separadas. Eu nunca me fixara nela, porque pertencíamos a distintas pandilhas. Pouco a pouco, e por diversos motivos, fomo-nos conhecendo. Nom tardei em dar-me conta do que tinha diante minha, umha mulher formosíssima e inteligente, mas fora do meu alcance.

Os pontos em comum, entre ambos, eram (e seguem sendo) mui poucos. Provocava-a com insultos para que me fizesse caso, mas isso nom conduzia a nengumha parte.

O tempo foi passando e chegou a hora de separarmo-nos. Deixava-mos atrás o liceu e começávamos a universidade. Àqueles dia a dia de insultos e de idas e vindas a sua aula ver se estava, mirá-la e depois marchar, acabaram. Escolheria a sua carreira e nom a voltaria ver nunca mais.

Agora, com os anos passados, sou consciente de que o nosso nom ia ir adiante. Sei que nunca lhe caim bem e ademais, as nossas diferenças som muito grandes: ela é eléctrica, eu sou mais tranquilo. Ela podia botar semanas sem ir a alguma que outra aula, eu ia a todas. Se a deixavam, ia toda a semana de festa, a mim, a minha vagaria impedia-mo. Do meu humor escarninho, às vezes mui cruel, ela nom gostava...

Esta é a história que vos queria contar. Por fim, depois de muitos anos podo botar fora todo isto. Se nom o fixem antes foi por vergonha, mas agora que ela morreu e que a mim pouco me falta, nom me importa nada.

Se existir outro mundo, lá nos vemos.

Descansa em paz, meu amor.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Quixera...

Quixera fazer poemas coma nada.
Grafar os versos mais formosos do mundo
com só pousar a pluma na folha branca.
Ó grandes bardos! Vós sabeis do que falo.

terça-feira, 17 de junho de 2008

Elias J. Torres Feijó: «Para que nos serve umha cultura? Sistemas e planificaçom cultural na Galiza»

«Devemos evitar o confronto social-civil para conseguir maior adesom ao carácter vertebrador da língua»

A Esmorga / MDL / PGL - «As comunidades precisam de elementos culturais para funcionar sobre a base da sua coesão social. Nos seus processos e por diferentes mecanismos vão seleccionando aqueles em que se reconhecem com maior facilidade, aceitando ou resistindo propostas, imposições, etc.», assim podemos apresentar a interessante conferência que, subordinada ao título «Para que nos serve umha cultura?: Sistema e planificaçom cultural na Galiza», pronunciará o professor Elias J. Torres Feijó nesta quarta-feira, dia 16 de Abril, no quadro das I Jornadas de Língua em Ourense. Um acto a nom perder que está marcado para as 19h30 na sala 04 do Edifício de Ferro do cámpus universitário da cidade das Burgas.

O vice-reitor da Universidade de Compostela, bem como vice-presidente da Associação Internacional de Lusitanistas, debruçará sobre algumas dessas propostas, imposições, etc. que acabam mesmo por ser interpretadas como inerentes ("essenciais") à (não 'da') comunidade por parte de algumas elites ou grupos.

Segundo Torres Feijó, isto pode empecer as tomadas de decisão para a continuidade da comunidade e a sua coesão e pôr em risco o próprio objectivo que se persegue, ao perder de vista o carácter instrumental desses elementos, fixar uma hierarquia que não se corresponde com os valores e desejos da comunidade ou apresentá-la de modo insatisfatório para um conjunto importante da mesma. «Galiza está numa tessitura destas características. A Galiza actual está numa tessitura importante e está decidindo».

— Para que serve à nossa cidadania a língua galega e a cultura gerada em torno dela?

Para o que ela quiger. Nestes momentos, em termos positivos e para umha maioria ampla, para ter um referente colectivo coesionador simbólico e de vário tipo, lesado pola continuada polémica em torno ao uso público (e, em parte, privado) da mesma; nesse sentido mais minada que outros referentes.

— Que seria preciso para elevar a escassa valorizaçom que regista hoje?

Aumentar a sua utilidade, fazendo a maior parte da cidadania partícipe e responsável do seu mantimento e progresso, desde qualquer posiçom, mesmo do 'nom uso', evitando o confronto social-civil para conseguir maior adesom ao seu carácter vertebrador.

— Que achas em falta tacticamente no movimento nacional galego no que diz respeito da língua e da cultura?

Já responder de modo breve às outras perguntas é custoso; esta mais, ainda que julgo fica respondida na pergunta anterior. Renovo a ideia de tentar evitar a confrontaçom privada e cívica e de reexaminar os objectivos que queremos cumprir e como, fugindo do essencialismo e tentando progredir na adesom social. Julgo que rebaixar a tensom criará mais aderentes ao processo.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Galicia versus Galiza

Num artigo anterior a este falava eu de como tudo que é galego tem necessariamente que ser espanhol; agora venho de dar um passo mais à frente na minha hipótese, e logo de ter feito umas observações que vou partilhar aqui, afirmo que a relação espanhol-galego é muito mais complexa do que eu tinha antecipado e que hoje posso afirmar que... “tudo o que é espanhol é, ou é susceptível de ser, galego” .

Já o afirmava a famosa frase da Galicia Vil “el castellano es tan gallego como el gallego”

Bom, as minhas observações começaram um dia que eu passava por diante duma televisão na que se estava a ver uma série chamada “Padre Casares”. Logo de observar que nem os padres nem os que faziam de gente na série tinham nenhum feitio que eu pudesse identificar como da nossa cultura... mais bem tudo me parecia uma cópia de qualquer outra cousa... fui informada pola minha filha de que a tal série tinha arrancado com os moços do lugar a querer botar um porco (referindo-se a um dos do cortelho, e não a um de duas pernas, como muitos puderam estar a pensar) do campanário em baixo, e com o cura a o evitar...

A mim lembrou-me o porquinho de São António, que ia de porta em porta com um chocalho e cada dia seu vizinho lhe botava de comer... até que estava cevado e então o senhor cura chapava-o... Bom, pois até esse dia, o dia da tal série da TVG, esse de São António era o único porco, dos do cortelho vá, que eu tinha relacionado com a Igreja...

O assunto do campanário também me lembrou ter ouvido que lá na profunda Espanha castelhana há um lugar onde diz que tiram uma cabrita dum campanário em baixo, não sei bem para celebrar que cousa. Eu então compreendi que a tal série da TVG estava a trabalhar no projecto que eu chamo “cultural global” que consiste em conseguir que tudo aquilo que é espanhol seja também galego; e nessa série se demostra que o trabalho se pode fazer não só para o futuro, que parece bem mais fácil, senão que também para o próprio passado... se algo foi espanhol, tem necessariamente que poder ter sido galego...

Se, passados os primeiros escrúpulos, somos capazes de aceitar que nalguma aldeia das nossas alguma vez se pôde ter botado a um bichinho de um campanário em baixo, estaremos mais cerca dessa transformação total... alguns passos já se levam dado nesta direcção... e eu não vou mencionar aqui o que todos bem sabemos e nos está a bater nas ventas mesmo.

E já agora tenho que falar de Pol Pot, que surpreendentemente também aparece numa série da tal TVG, e esse sim que também não é porco nosso, nem mesmo é de muita conhecia. O porco de aqui, o único porco, que até teria pontuado bem alto no “galegómetro” é um que nascera em Ferrol de Si Mesmo, e que por acaso, por ser galego demais, ou tirano demais, não é incluído na série essa das quintas-feiras onde botam o clube dos ditadores infames.

Pois sim, assim é como está tendo lugar a transformação de tudo... e quando algo é galego demais e por tanto com dificuldades para caber dentro da Espanha, pois se elimina e prontos. Por exemplo, os actores que façam de galegos não devem ser (de poder-se evitar) galego-falantes, porque têm demasiado sotaque (apague-me aí ese seseo, hombre de dios, que se le nota a las leguas que es usted de la Cuesta de la Muerte)... Ou como um amigo meu de Lugo que também tem sido mal mirado às vezes na TVG por ter um jeito de falar que parece mais galego do necessário...

Mas tudo isto não foi inventado pola TVG, eles adoptaram esse estilo mas eles não o inventaram; não, isto já vem dos anos dourados de Hollywood, daqueles clássicos onde os índios também não serviam para fazer de índios, e usavam actores brancos tingidos, ou por vezes botavam mão dos mexicanos que dissimulavam algo melhor a cor.

E isto que eu vinha observando desde há algum tempo foi-me confirmado definitivamente polos últimos acontecidos que envolvem a Real Academia Galega e o nome do nosso país; que por ser Galiza um chisco galego demais, e portanto ter dificuldades para poder ser visto como espanhol, pois se reverte o processo e já está; se faz o espanhol ser galego e assunto ressolto... isto é como o conto de Mahoma e montanha.

Depois de assumido isto “Galicia” é tão galega (até haveria que dizer “gallega” para manter a coerência, não é?) como “Galiza”, que diria o outro; e com isso a RAG põe a “puntilla”, que já agora devo dizer que aqui não vai em referência àquelas pontilhas de encaixe com as que nossas mães nos tapavam a cara quando crianças para correr o entroido o dia da mascarada... não, não é isso, isso era antes, foram tempos... aqui “puntilla” refere-se a uma cousa afiada tipo faca pequeneira com a que nesses lugares da Espanha profunda, por ai por onde atiram animais dos campanários em baixo, espetam na cabeça a algum animal nalgum de seus rituais, e é bom nós irmos-nos acostumando a esse instrumentinho, pois algum dia, como tudo, por força, terá de ser galego.

http://www.vieiros.com/opinions/opinion/462/galicia-versus-galiza